quarta-feira, 1 de abril de 2015

O pêndulo histórico pós-Guerra Fria e o equilíbrio futuro



Sabemos perfeitamente que, durante a Guerra Fria, o Capitalismo-EUA e o Socialismo-URSS “dividiram o mundo entre si”, inclusive através de ditaduras visando assegurar a fidelidade ideológica sobretudo dentro das suas áreas-de-influência geográficas próximas.
As situações mais críticas de ditaduras despertaram oposição e resistência natural, resultando em partidos e movimentos que depois da Guerra Fria chegaram ao poder. Dois casos clássicos é o Solidariedade na Polônia (peça-chave da Segunda Guerra) e o Partido dos Trabalhadores no Brasil (país-chave na América do Sul), ambos encabeçados por sindicalistas.
Não obstante, das suas particularidades geopolíticas, estes dois movimentos tinham (e tem) focos opostos de atuação. Em decorrência disto, vemos que comumente os países que se libertaram de ditaduras capitalistas correram para o socialismo, ao passo que, inversamente, os países que se libertaram de ditaduras socialistas correram para o capitalismo.
Muitos destes países não tardaram porém em perceber que estavam através disto apenas caindo numa nova armadilha –e por diferentes razões. A Polônia logo buscou a economia-de-mercado e a própria Rússia de Yeltsin conheceu de súbito a decadência capitalista e a corrupção. No Brasil, após várias eleições malfadadas (um atraso provocado pela malícia extremada das elites nacionais), herdamos um PT populista e lavado, despersonalizado sem a possibilidade de respaldo externo, e onde a corrupção também se agrava escandalosamente. Ambas são ademais ideologias imediatistas e classistas, das quais pouco se pode esperar.
No vale-tudo para chegar ao poder, o PT dividiu as oposições atropelando nomes históricos da esquerda e entregando o país nas mãos de fantoches da situação. Depois rasgou todas as suas bandeiras históricas na reta final. Quem diria que um partido que abrigava tantos “intelectuais”, e comandado por um metalúrgico renunciaria de tal forma ao beneficiamento industrial, quase reduzindo a produção do país ao extrativismo e virando sócio de nações escravagistas; provas gritantes de que as melhores cabeças da nação foram ceifadas pela ditadura -com a “preciosa” ajuda do PT, é claro. E também destruiria a cultura e a Natureza pela devastação ambiental, abdicaria da reforma agrária para investir nos latifúndios, “compensaria” a falta de empregos com uma política populista e assistencialista corrosiva, e renunciaria à propugnada auditoria da dívida externa para legitimá-la convertendo-a em dívida interna... PT virou assim “Partido da Traição” nacional, não há outro codinome para ele, e com tudo isto vem despertando a fúria da nação em especial a direita fascista amante das ditaduras, coisas enfim todas muito negativas para o país...
Seria o caso de se refletir então sobre o curso histórico anterior às ditaduras que levaram a estes picos artificiais de extremos ideológicos. Havia quase por regra governos nacionalistas em muitas destas nações depois ocupadas. Vale aprofundar mais sobre estas dinâmicas políticas.
O nacionalismo de um lado é flexível, sua visão-de-mundo transcende na prática as ideologias classistas uma vez que busca a unidade e a defesa da nação. E de outro lado, o fato de sofrerem pressões locais de grandes nações imperialistas, levou naturalmente os países nacionalistas a simpatizarem com os adversários históricos destes impérios locais. Esta aproximação, real ou simbólica, serviu de pretexto muitas vezes para invasões, ocupações e implantação de ditaduras em blocos regionais inteiros por parte dos impérios locais.
O mundo naturalmente girou desde então, e a Guerra Fria teve os seus resultados. Uma das grandes alavancas para a busca atual de alternativas ideológicas é o ambientalismo, o qual recebe oposição das doutrinas materialistas uma vez que a Natureza segue sendo a fonte primária de exploração econômica no mundo. Além disto, o forte atavismo provocado pelo carma histórico da Guerra Fria tem impedido ainda maior atualização política nestas nações.
Espera-se no entanto que oportunamente haja uma conscientização e uma acomodação nas coisas e as nações possam reencontrar os seus verdadeiros rumos. Em muitos locais já se esboçam sínteses promissoras. A Rússia tem buscado recuperar a sua rica História e ainda preserva traços da ideologia socialista. Em vários países latinoamericanos as ideologias de esquerda têm voltado a vigorar. O Brasil, que padeceu de uma das mais longas ditaduras da América Latina, ainda necessita porém aprofundar a reflexão sobre o seu passado, mesmo sem pretender retornar literalmente a ele. E então este novo momento aguardado poderá se caracterizar como um misto de nacionalismo com ambientalismo. 


webersalvi@yahoo.com.br
(51) 9861-5178 e (62) 9667-9857

Participe também dos debates em nossos facegrupos:

Nenhum comentário:

Postar um comentário